Era no ambiente do recesso do quarto que se revelava a identidade dos habitantes da casa, as suas memórias e valores, através dos seus objectos pessoais.
O quarto de dormir, pelo seu carácter intimista, era um espaço privilegiado para os momentos de fervor religioso, donde destacamos o conjunto escultórico devocional composto pela Virgem com o Menino Jesus e São José, exemplos da escultura portuguesa do século XVIII, e o Crucifixo em marfim, indo-português, colocados no oratório (alçado superior) da cómoda-papeleira portuguesa setecentista, que apresenta no interior do corpo superior e das portas pinturas de serafins, nuvens e anjos que seguram os símbolos da Paixão.
Entre o mobiliário exposto, sobressai o leito com sobrecéu, bem como o canapé com decoração de cachos de uvas e folhas de parra, ambos em madeira de vinhático, demonstrativos da mestria dos marceneiros madeirenses na prossecução dos modelos ingleses do século XIX. São estes modelos que presidem às várias tipologias aqui presentes: cómodas, Tallboys, mesas, caixas de prever e cadeiras, e que inseridas no influente movimento de comercialização oitocentista, espelham a vivência deste espaço.
A intimidade do quarto de dormir é também reforçada pelos retratos oitocentistas que preenchem as paredes.