Na sala de jantar, retoma-se a temática das artes decorativas europeias complementando o ambiente e a vivência social.
Neste espaço destaca-se ao centro a mesa de jantar, os armários-louceiros, sideboards, mesas de apoio e cadeiras, ao estilo inglês de finais do século XVIII, na transição para o século XIX, que ilustram um modo de “estar” na Ilha característico das casas senhoriais.
A par do mobiliário, vemos nas paredes desenhos de autores ingleses (Hayward, Emily Geneviève Smith e Andrew Picken), registos românticos da sua passagem pela Ilha ao longo do século XIX.
Entre as representações paisagísticas da Madeira, destacam-se as três pinturas a óleo de Tomás José da Anunciação (1818-1879), pintor romântico por excelência, que aqui retrata a família do 2.º Conde Carvalhal numa cena de Piquenique, e a Baía do Funchal vista de Santa Catarina. Na parede oposta, do mesmo pintor, encontra-se o quadro Feira de Gado, onde podemos observar a mestria de Anunciação na representação animalista que tanto o celebrizou.
Nos armários-louceiros, expõe-se porcelana Companhia das Índias, característica produção chinesa do século XVIII de exportação para o mercado europeu, bem como porcelana armoriada e alguns vidros.
Deste núcleo, destaca-se, pela sua singularidade, o serviço Urna Misteriosa (1796-1820). Encomendado por lealistas franceses, o serviço apresenta um medalhão central com a ilustração de uma gravura publicada em França em 1793 sob o título “L’Urne Mystérieuse”, onde se assinala o monograma de Luís XVI e Maria Antonieta, que surgem também representados em negativo, ladeando a Urna, encimados pelos seus filhos o Delfim (futuro Luís XVII) e a princesa real.