A colecção de porcelanas orientais do Museu Quinta das Cruzes foi maioritariamente doada pelo coleccionador César Filipe Gomes, tendo sido enriquecida, posteriormente, com outras doações e aquisições, que presentemente tornam possível efectuar uma leitura evolutiva de cariz estilístico e técnico do percurso deste tipo de Cerâmica.
O núcleo que agora analisamos retrata não só a evolução deste tipo de produção como também o enquadra dentro das necessidades da comunidade da Madeira. A presença na Ilha de uma vasta comunidade inglesa que aqui começou a afluir, no final do século XVII e que permaneceu praticamente até meados do século XX, em busca de um rápido enriquecimento por via do comércio vinícola, influenciou muito a tomada de consciência, bem como a crescente presença, de peças de porcelana neste território.