O núcleo de Cerâmica do Museu Quinta das Cruzes, composto por 699 peças de Porcelana e Faiança, é um dos mais numerosos e também o que apresenta uma maior variedade de tipologias.
O núcleo de Faiança inclui peças do século XVII, de produção nacional e espanhola (Manises) e peças dos séculos XVIII e XIX, maioritariamente de manufactura portuguesa, com destaque para as produções das fábricas de Darque, Miragaia, Massarelos, Caldas da Rainha e Rato.
O conjunto das peças de Porcelana divide-se nas de produção europeia e nas de produção oriental. No núcleo de origem europeia encontram-se as produções de Sévres, Meissen, Dresden, Worcester e Wedgwood, como as mais predominantes.
O conjunto das Porcelanas Orientais é na sua maioria datável de entre o século XVI a finais do século XVIII, correspondendo este último núcleo a exemplares do comércio de porcelana chinesa para exportação, mais conhecido por porcelana Companhia das Índias.
A Cerâmica que integra o acervo do Museu foi principalmente doada por César Filipe Gomes, a que se juntaram algumas aquisições, que colmataram lapsos temporais e estilísticos, e que permitem fazer uma leitura contínua e contextualizada da evolução desta colecção.